Sudão do Sul

Guerra, fome, pobreza. Quais países estão em pior situação do que outros

Duas vezes por ano, o Fundo Monetário Internacional publica uma enorme coleção de indicadores de força econômica, sendo o produto interno bruto (PIB) per capita a chave. Segundo eles, os países mais pobres do mundo são os estados da África e alguns do Oriente Médio, esgotados pelas guerras e pela fome..


Uma observação sobre os índices mencionados no artigo:

• IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). É calculado anualmente pela ONU para comparar o padrão de vida, educação, alfabetização e longevidade em diferentes estados. O valor máximo é 1.

• Índice de percepção de corrupção. Calculado anualmente pela Transparency International, com base em pesquisas independentes da Freedom House, bancos africanos, asiáticos de desenvolvimento e Banco Mundial. Estimado de 0 (máximo) a 100 (mínimo) pontos. O ranking é composto por 180 países.

A lista inclui apenas os países para os quais as estatísticas foram publicadas no site do Fundo Monetário Internacional em janeiro de 2019.


1. Sudão do Sul

Sudão do Sul

• PIB per capita: US $ 224,75
• IDH: 0,388
• Inflação (2018): 106,359%
• Escore de percepção de corrupção: 12 (179/180)

Este estado na África Central conquistou a independência do Sudão em 2011 como resultado de um referendo (98% dos votos). Mas a situação permaneceu difícil. Há uma guerra civil no país entre a união tribal Nuer (oposição) e o povo Dinka (governo), bem como conflitos militares com o vizinho Sudão. Esses eventos afetam a agricultura, e é por isso que, desde 2017, há fome na república. Segundo a ONU, aproximadamente 4,9 milhões de pessoas sofrem de desnutrição.

2. Burundi

Burundi

• PIB per capita: US $ 309,87
• IDH: 0,417
• Inflação (2018): 1,238%
• Escore de percepção de corrupção: 22 (157/180)

A República do Burundi está localizada às margens do Tanganica, o maior lago do mundo. Os frequentes conflitos interétnicos dificultaram o desenvolvimento e diminuíram um pouco apenas no século XXI, graças à presença internacional. O país possui grandes reservas de minerais, mas alguns deles não são extraídos, como a platina. A maioria da população vive abaixo da linha da pobreza. Burundi tem uma das maiores taxas de emigração do mundo.

3. Malawi

Malawi

• PIB per capita: US $ 361,15
• IDH: 0,477
• Inflação (2018): 9,194%
• Índice de percepção de corrupção: 31 (122/180)

É uma república presidencial, independente da Grã-Bretanha desde 1964. Até 1994, o líder do país era o Hastings Banda. Ele estabeleceu um regime conservador de partido único, organizou a censura e lutou duro contra a oposição. Na década de 1980, a economia foi atingida pela queda dos preços mundiais de tabaco e chá, o apoio ocidental enfraqueceu, o país tornou-se dependente do Banco Mundial e do FMI.

Mais de 50% da população vive abaixo da linha da pobreza. 90% dos funcionários estão envolvidos na agricultura (chá, açúcar, tabaco). Os recursos naturais são pouco desenvolvidos. Em 2013, a infecção pelo HIV foi de 11,9%.

4. Serra Leoa

Serra Leoa

• PIB per capita: US $ 489,31
• IDH: 0,419
• Inflação (2018): 15,58%
• Escore de percepção de corrupção: 30 (130/180)

A ex-colônia britânica de Serra Leoa, depois de conquistar a independência, manteve relações estreitas com a Grã-Bretanha. Com a ajuda dela, foi possível parar a guerra civil em 2002..

O país possui impressionantes recursos minerais, pesqueiros e agrícolas, mas a infra-estrutura fraca não permite que eles sejam totalmente utilizados. A participação do setor agrícola no PIB é de 49%, indústria – 31%. Cerca de 70% da população está abaixo da linha da pobreza.

5. República Centro-Africana

República Centro-Africana

• PIB per capita: US $ 489,55
• IDH: 0,367
• Inflação (2018): 4,019%
• Índice de percepção de corrupção: 23 (156/180)

A história de meio século do CAR independente também está cheia de confrontos armados, conflitos civis e sectários. E agora as tropas do governo estão sendo atacadas por bandidos, mas o país está recebendo apoio internacional. Por exemplo, o Presidente Touadera é guardado por unidades russas, que também fornecem ao exército local uniformes e armas..

O CAR possui depósitos de petróleo, ouro, urânio, diamantes, mas não utiliza esses recursos com eficiência. A extração de minerais, juntamente com a produção de calçados, cerveja e exploração madeireira, responde por cerca de 20% do PIB. 55% incidem sobre atividades agrícolas, nomeadamente o cultivo de tabaco, café, milho, banana, mandioca.

A situação social é difícil: infecção pelo HIV – 6,3%, expectativa de vida média – 48/50 anos (mulheres / homens), alfabetização – 48%.

6. Moçambique

Moçambique

• PIB per capita: US $ 500,77
• IDH: 0,437
• Inflação (2018): 5,969%
• Escore de percepção de corrupção: 25 (153/180)

Moçambique, uma ex-colônia portuguesa, tornou-se independente em 1975 e tomou o socialismo como base, e dois anos depois caiu em uma guerra civil. As hostilidades terminaram apenas em 1992 – Moçambique passou para uma democracia multipartidária. A economia foi destruída e, mesmo com assistência internacional ativa, o estado ainda está incluído na classificação do FMI.

A ineficiência é evidente: com 81% do emprego no setor agrícola (24% do PIB), 12% da terra fértil é cultivada. Na indústria (30% do PIB), 6% da população ativa. Cerca de 70% dos residentes vivem abaixo da linha da pobreza. A expectativa média de vida é de 52,6 anos. Apenas metade dos cidadãos é alfabetizada, com 36% das mulheres. Infecção pelo HIV – 10,75%.

7. Madagascar

Madagáscar

• PIB per capita: US $ 500,95
• IDH: 0,519
• Inflação (2018): 7,784%
• Escore de percepção de corrupção: 24 (155/180)

Madagascar é uma ilha com flora e fauna únicas. Desde a data da independência (26/06/1960), o estado passou por vários golpes, revoltas e reestruturações.

A economia é vista como em desenvolvimento. Baseia-se na pesca, na agricultura (especiarias, ervas, baunilha, café, açúcar, tapioca, legumes). As exportações de baunilha são tão importantes para Madagascar que o país foi duramente atingido pela transição da Coca-Cola de natural para sintética. O turismo é de grande importância para a economia agora. A expectativa média de vida é de 63 anos. Estado 13º no mundo em termos de crescimento anual da população (3%).

8. República Democrática do Congo

República Democrática do Congo

• PIB per capita: US $ 501,65
• IDH: 0,457
• Inflação (2018): 23%
• Escore de percepção de corrupção: 21 (161/180)

A antiga colônia da Bélgica era anteriormente as repúblicas do Zaire e do Congo, e agora é chamada de RD do Congo. A mudança foi acompanhada de distúrbios, conflitos civis e a derrubada de líderes. Em 1998-2002, o país foi duramente atingido pela Segunda Guerra Congolesa.

As autoridades estão trabalhando para reconstruir o setor de mineração, que é a principal exportação. Mas a estagnação continua devido à queda dos preços e à demanda por commodities importantes (ouro, diamantes, cobre, cobalto, zinco). Um grande problema é a sombra da exportação de matérias-primas de tântalo, que inclui a máfia, os governos dos países vizinhos e os fabricantes mundiais de eletrônicos (o tântalo é um elemento químico).

9. Níger

Níger

• PIB per capita: US $ 503,31
• IDH: 0,354
• Inflação (2018): 3,9%
• Escore de percepção de corrupção: 33 (112/180)

A maior parte do Níger é ocupada pelo deserto do Saara e pelo semi-deserto do Sahel, e a população está concentrada no oeste e sul. A base da economia é a mineração e a agricultura de minério de urânio. A segunda metade do século XX foi uma época de revoltas, assassinatos de altos oficiais, secas e golpes militares (o último sucesso em 2009, uma tentativa em 2011).

O desenvolvimento e a recuperação da crise são dificultados pela baixa alfabetização da população – 28% (homens – 43%, mulheres – 15%). O estado tem uma taxa de natalidade muito alta – 51,1 por 1.000 pessoas, mas ocupa o 3º lugar na mortalidade infantil (115 por 1.000).

10. Afeganistão

Afeganistão

• PIB per capita: US $ 577,21
• IDH: 0,498
• Inflação (2018): 3%
• Escore de percepção de corrupção: 15 (177/180)

Embora a localização do Afeganistão lhe permita desempenhar um grande papel na política e na cultura da região, continua sendo um dos estados menos desenvolvidos. O motivo é uma guerra civil em andamento na qual forças estrangeiras estão envolvidas.

Em 2008, o desemprego na república atingiu 35%. Dos empregados, 78% estão empregados na agricultura, 16% no setor de serviços e 6% na indústria. Os principais produtos de exportação são ópio, tapetes, nozes, frutas, pele de astracã, lã, pedras preciosas e semipreciosas.

42% dos homens são alfabetizados e apenas 12% das mulheres. A mortalidade infantil é a mais alta – 274 por 1.000 – esperança média de vida – 44,6 anos.

11. Libéria

Libéria

• PIB per capita: US $ 651,85
• IDH: 0,435
• Inflação (2018): 21,27%
• Índice de percepção de corrupção: 31 (122/180)

Entre 1980 e 2003, a Libéria experimentou a ditadura do Dow e duas guerras civis. Não se sabe quando a economia do país poderá se recuperar e atingir um nível decente – o desemprego chega a 85%. O estado possui recursos valiosos – ouro, diamantes, minério de ferro – mas não possui infraestrutura para usá-los. A bandeira de conveniência continua sendo uma das principais fontes de renda – a Libéria permite que navios estrangeiros levem sua bandeira, ajudando-os a reduzir o custo de manutenção nos portos do mundo.

12. Togo

Ir

• PIB per capita: US $ 691,42
• IDH: 0,503
• Inflação (2018): 0,4%
• Escore de percepção de corrupção: 32 (117/180)

Até hoje, a República Togolesa permanece sob o regime autoritário, o que dificulta as relações internacionais e, consequentemente, o desenvolvimento econômico. A economia é baseada em reexportações e agricultura, mas ainda importa a maior parte dos alimentos. Áreas importantes são a extração de fosfatos, o processamento de produtos agrícolas (café, cacau, algodão, inhame, tapioca). A criação de gado é pouco desenvolvida devido à mosca tsé-tsé.

13. Uganda

Uganda

• PIB per capita: US $ 746,59
• IDH: 0,516
• Inflação (2018): 3,825%
• Escore de percepção de corrupção: 26 (151/180)

A independência da Grã-Bretanha para Uganda foi marcada por distúrbios e confrontos étnicos. O país tomou um rumo ao socialismo, nacionalizou-se, entrou em conflito com os vizinhos, construiu o exército e perdeu muito tempo e oportunidades de desenvolvimento.

É o país mais jovem do mundo, com idade média de 14,8 anos. A incidência do HIV é de 6,4% e a taxa de mortalidade infantil é de 64 por 1.000. Cerca de um terço da população vive abaixo da linha da pobreza. 82% dos trabalhadores estão empregados no setor agrícola (22% do PIB), cerca de 5% – na indústria (25% do PIB). As principais exportações são café, chá, peixe, flores, algodão e ouro.

14. Gâmbia

Gâmbia

• PIB per capita: US $ 761,23
• IDH: 0,46
• Inflação (2018): 6,197%
• Escore de percepção de corrupção: 30 (130/180)

A Gâmbia é o menor estado da África continental. Motins, golpes, entrada e saída da Confederação da Senegâmbia, renomeando para a República Islâmica e vice-versa – tudo isso foi feito em meio século de existência independente.

A economia agora está fragmentada e mal organizada. Economicamente ativo 52% da população, mas há um afluxo de migrantes da Guiné, Mali, Senegal. A principal fonte de renda é a agricultura, ou melhor, o amendoim (40% do valor da exportação). O ingresso de moeda forte tem aumentado nos últimos anos devido ao desenvolvimento do turismo.

15. Burkina Faso

Burkina Faso

• PIB per capita: US $ 767,7
• IDH: 0,423
• Inflação (2018): 2%
• Escore de percepção de corrupção: 42 (74/180)

A posição final é Burkina Faso (anteriormente Upper Volta). Ele sofreu uma série de golpes na década de 1980, após os quais o presidente Blaise Compaore governou até 2014. Agora seu lugar é ocupado pelo ex-rock militar Marc Christian Kabore.

A alfabetização é baixa no país – 15% entre as mulheres e 29% entre os homens. A expectativa média de vida é de 53 anos. 46% dos residentes têm menos de 14 anos. 90% dos trabalhadores estão envolvidos na agricultura, que precisa lidar com secas frequentes. Os principais produtos de exportação são algodão, ouro, gado, couro, carne.

Artigos semelhantes
  • As cidades mais seguras do mundo – Top 25

    Se você não deseja encontrar um ponto de parada frequente e verificar constantemente se a sua carteira está no lugar, faça uma viagem ou mudança para escolher uma dessas opções….

  • Vietnã

    Os países mais baratos para viver A migração é uma oportunidade de mudar para melhores condições de trabalho, ver o mundo e mergulhar em uma qualidade superior…

  • Melhores países para trabalhar e morar, de acordo com expatriados

    Os expatriados são especialistas estrangeiros que não vivem em sua terra natal e enfrentam não apenas a língua, as barreiras culturais e uma mentalidade diferente,…

Avalie este artigo
( Ainda sem avaliações )
Adicione comentários

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: