Ferramentas diamantadas: tipos, finalidade e regras operacionais

Em termos de eficiência no processamento de materiais duros, os diamantes sintéticos praticamente não têm concorrentes. Em nossa revisão, falaremos sobre os tipos de ferramentas diamantadas, os recursos da escolha e, o mais importante, os modos de processamento e as regras para manter as arestas em uma condição de ajuste..

Uma ferramenta preciosa: como funciona

Os processos físicos e mecânicos que acompanham o processamento de vários materiais têm uma tendência geral: o corpo de corte deve ter uma dureza superior à do material a ser processado e mover-se em relação a ele a uma determinada velocidade. Quando se trata de processamento de metais, madeira e plásticos, aço de alta liga ou abrasivos comuns, como carboneto de silício ou carborundum, podem ser usados ​​como material de processamento. No entanto, ao lidar com materiais muito duros como granito ou concreto, a preferência é dada a substâncias com dureza sem precedentes – diamantes sintéticos..

Ferramentas diamantadas: tipos, finalidade e regras operacionais

Como outros tipos de ferramentas abrasivas, o diamante possui micropartículas com arestas vivas, que são fixadas em uma camada de ligante. Via de regra, ligas metálicas com alto ponto de amolecimento são utilizadas como aglutinante. No processo, a ferramenta perde parte dos cavacos de diamante, enquanto a camada superior da ligação é derretida e apagada na superfície tratada, expondo novas partículas com arestas vivas.

Há um número bastante grande de variações de ferramentas diamantadas projetadas para corte, retificação, fresamento e perfuração. Neste caso, a pulverização está localizada exclusivamente nas bordas das bordas de trabalho. Nestes locais, a velocidade máxima de corte é atingida, requisito essencial para o correto funcionamento da ferramenta diamantada. Isso está associado a uma desvantagem específica deste método de processamento – uma alta temperatura na zona de contato, portanto, geralmente esse trabalho é realizado com o fornecimento de refrigerante.

Tipos, finalidade e escopo de uso

As ferramentas diamantadas ganharam popularidade devido à alta eficiência no processamento de materiais duros, limpeza das superfícies processadas, alta precisão e capacidade de trabalhar com produtos frágeis. Outra característica é a variedade de tipos de ferramentas para realizar tarefas altamente especializadas.

Ferramentas diamantadas: tipos, finalidade e regras operacionais

Os mais difundidos são os discos de corte de diamante para cortar pedra e concreto. Esses consumíveis vêm em dois formatos: lábio dividido (segmentado) e moldura ranhurada. Acredita-se que uma roda com uma borda dividida seja mais adequada para usinagem a seco devido ao fato de que a remoção de poeira da área de corte por fluxo de ar através das ranhuras é mais eficiente, enquanto a presença de trilhas em espiral em um disco com uma borda escalonada é melhor para acelerar o fluxo de refrigerante..

Para lixar superfícies, são usados ​​copos de diamante, no lado de trabalho dos quais existem saliências cujas superfícies se encontram no mesmo plano. Por um lado, esta configuração reduz a área de contato e, consequentemente, reduz o aquecimento por atrito. Por outro lado, os intervalos de ar entre os segmentos facilitam a remoção eficaz das partículas de material removidas. Existem várias configurações de segmentos de copo que não têm uma diferença fundamental, mas diferem na eficiência de remoção de vários resíduos da zona de moagem.

Ferramentas diamantadas: tipos, finalidade e regras operacionais

Via de regra, a base das taças é rígida, mas também são bastante comuns as chamadas tartarugas, nas quais numerosos segmentos são fixados em uma base flexível. Há um grande número de variedades de tal ferramenta, diferindo na composição da ligação, no tamanho do grão de diamante e na configuração dos segmentos, e cada tipo individual de tartaruga é projetado para trabalhar com um certo tipo de pedra com uma limitação estrita dos modos de processamento.

Ferramentas diamantadas: tipos, finalidade e regras operacionais

As brocas são o terceiro tipo mais difundido de ferramentas diamantadas projetadas para a produção de furos em massas duras pelo método sem impacto. Na zona de pulverização, a broca tem um diâmetro efetivo que é vários milímetros maior do que as dimensões externas do bico, devido ao qual uma lacuna é formada para remoção de poeira e extração do núcleo. A borda das coroas pode ser segmentada por analogia com os discos de corte, o que permite aumentar a velocidade de rotação da ferramenta e aumentar a produtividade da furação com igual força de avanço.

Use com ferramentas manuais

O valor aplicado mais importante das ferramentas diamantadas é considerado o seu uso para o processamento de produtos de pedra, desmontagem de estruturas de concreto e fabricação de canais tecnológicos. Para esses fins, é ideal usar uma ferramenta elétrica portátil, aproveitando a alta mobilidade em detrimento da precisão do processamento..

Ferramentas diamantadas: tipos, finalidade e regras operacionais

Nem todas as ferramentas de retificação manuais são adequadas para ferramentas de corte de diamante. De toda a gama de requisitos de design, existem dois mais importantes: a capacidade de ajustar a velocidade do fuso e a disponibilidade de dispositivos para agarrar com ambas as mãos. Portanto, esmerilhadeiras comuns não podem ser usadas para trabalhos de retificação, apenas rebarbadoras especiais com uma alça frontal desenvolvida e controle de velocidade, em alguns casos um dispositivo de fornecimento de refrigerante padrão pode ser necessário. O corte com retíficas pode ser executado, no entanto, os discos de diamante de segmento devem ser selecionados de acordo com a velocidade exata da ferramenta. A fixação de todos os consumíveis de diamante para ferramentas manuais é padronizada: um orifício de 22,2 mm para os discos e uma rosca de 14 mm para os copos.

Ferramentas diamantadas: tipos, finalidade e regras operacionais

Para a perfuração, são utilizadas brocas sem martelo pesadas ou brocas de martelo, que possuem um mecanismo para desabilitar o mecanismo de percussão. A potência da ferramenta é selecionada de acordo com o diâmetro das coroas, porém, como regra, não inferior a 1,5 kW. Quase todos os equipamentos de perfuração de diamante têm uma haste redonda ou facetada com uma espessura de pelo menos 8 mm para fixação em um mandril de três mandíbulas. Durante a perfuração, é permitido o uso de refrigeração líquida abundante da área de trabalho devido ao afastamento considerável do acionamento elétrico, no entanto, o fluido deve ser fornecido por um método sem pressão.

Corte de diamante em equipamento estacionário

O método mais avançado tecnologicamente de usar ferramentas diamantadas é como ferramenta de máquina. Isso inclui máquinas pesadas de retificação e corte e instalações especiais com mobilidade limitada. Exemplos deste último são cortadores de estrada projetados para cortar concreto asfáltico com discos com um diâmetro de mais de 400 mm e gabaritos para perfuração de diamante.

Ferramentas diamantadas: tipos, finalidade e regras operacionais

As principais vantagens dos equipamentos estacionários são a alta precisão, proporcionada por um leito rígido e um mecanismo de alimentação automático, além da possibilidade de uso ilimitado de refrigerante. Devido a essas duas circunstâncias, a vida útil das bordas e a limpeza das superfícies tratadas aumentam significativamente. Impossível não mencionar o aumento da comodidade e segurança: o operador da máquina fica menos cansado devido ao fato de que não há necessidade de segurar a ferramenta firmemente com as duas mãos.

Ferramentas diamantadas: tipos, finalidade e regras operacionais

As retificadoras estacionárias podem usar pedras diamantadas com uma ligação de metal, cerâmica e polímero elástico. Via de regra, esse equipamento é usado para fazer o acabamento de bordas de uma ferramenta de corte ou para o processamento fino de bordas em produtos feitos de pedras valiosas. Nesses casos, a dureza do grão de diamante é especialmente benéfica, pois a remoção do aço ferramenta ou das partículas de pedra natural ocorre sem superaquecimento da peça e, portanto, sem perda irreversível de suas propriedades pelo material..

Modos de processamento

As ferramentas diamantadas são muito exigentes quanto à observância dos modos de processamento: velocidade de corte, força aplicada, presença de refrigerante na área de processamento. O não cumprimento desses requisitos é praticamente garantido danos à própria ferramenta ou à peça de trabalho. Porém, não é tão difícil aprender as regras de trabalho, para isso é necessário levar em consideração apenas duas circunstâncias.

A primeira é a necessidade de garantir um desgaste uniforme das arestas, durante o qual ocorre a destruição gradual da ligação e a exposição dos grãos de diamante “frescos”. Se a velocidade de processamento exigida não for observada, o aglutinante irá derreter, obstruindo os poros na superfície das bordas, esse fenômeno é denominado salga. Você pode atualizar as bordas lixando-as uniformemente contra um material sólido e duro com um componente abrasivo, por exemplo, tijolos de cerâmica ou um rebolo gasto.

Outra regra decorre da primeira: qualquer retificadora ou ferramenta de corte é projetada para processar uma determinada lista de materiais de acordo com os modos e sequência desse processamento. Assim, para discos e coroas, o fabricante regula estritamente a velocidade de rotação e força de alimentação, e para copos e pedras flexíveis – o número de etapas para reduzir o tamanho do grão, a presença de refrigeração, a capacidade de trabalhar em superfícies planas ou bordas. Portanto, somente o cumprimento das normas regulamentadas pelo fabricante garante o funcionamento mais longo possível das ferramentas diamantadas e dos produtos de alta qualidade..

Restauração de arestas de diamante

Como resultado, deve-se enfatizar que o ferramental de diamante pode ser um material consumível (AGShK, placas) e pode ser calculado para operação de longo prazo, como acontece com coroas e serras. A composição do ligante e da fração do pó de diamante em alguns casos pode ser selecionada com a expectativa de derramamento acelerado, mas sistemático, ou seja, o trabalho é realizado não apenas pelo grão fixado na borda, mas também pelos fragmentos esfacelados. Nesses casos, as ferramentas diamantadas não são muito caras e a única maneira de restaurá-las é eliminar a salga usando o método descrito acima..

No entanto, existe outra classe de equipamento, que se caracteriza por aumento da resistência, densidade e dureza do material de ligação, bem como uma fração especialmente selecionada de grão de diamante. Como regra, isso se aplica a grandes discos de corte e coroas que enfrentam cargas operacionais significativas. Esta ferramenta é bastante cara e a sua substituição completa à medida que se desgasta é absolutamente irracional. Em vez disso, apenas as superfícies de contato podem ser recondicionadas ou substituídas por organizações especializadas. Esta é a solução ideal para artesãos de corte de parede profissionais, reduzindo os custos de depreciação em 2-3 vezes.

Avalie este artigo
( Ainda sem avaliações )
Adicione comentários

;-) :| :x :twisted: :smile: :shock: :sad: :roll: :razz: :oops: :o :mrgreen: :lol: :idea: :grin: :evil: :cry: :cool: :arrow: :???: :?: :!: